sábado, abril 13, 2013

O louvor que Miguel Relvas merece


Conselho Nacional do PSD aprova voto de louvor a Miguel Relvas - JN

Estou arrepiada até ao dedo mindinho. Louvor? Porquê? Pela actuação "de inexcedível lealdade à causa pública posto ao serviço de Portugal e dos portugueses"... Hein? Como disse? 

Em primeiro lugar, Miguel Relvas é um zombie! Está politicamente morto desde que descobriram a licenciatura super-sónica, mas ninguém lhe disse. Ou melhor, tentaram dizer-lhe repetidamente mas os mortos não ouvem. E nem a incapacidade para cantar "Grândola, vila Morena" o fez aperceber-se do seu estado moribundo. 

Onde está então a lealdade à causa pública? Todos sabemos que a causa pública difere das causas particulares pela sua dimensão. Ou seja, a causa pública tem uma esfera de influência maior porque não afecta apenas um indivíduo.

Lembram-se de Relvas ter dito que a História o julgaria? Arrisco desde já uma previsão do veredicto da História: Miguel Relvas dedicou toda a sua carreira política à instrução do Povo Português. 

Ele, que saiu do Governo precisamente pela instrução duvidosa obtida na Lusófona. A ironia! 

E como é que o ex-super-Ministro nos instruiu? Ele sacrificou a sua reputação para nos exemplificar tudo o que não se deve fazer.  

Arrisco mesmo dar outro palpite: Relva será canonizado. O mártir Relvas que foi espezinhado, insultado e humilhado para nos mostrar que os nossos pecados nunca serão o caminho da salvação. 

Vós que obtivestes um canudo com mais equivalências que exames, acabareis com menos habilitações literárias que Vosso motorista.

Vós que ameaçastes uma jornalista do "Público" para que esta não publicasse uma notícia, acabareis por ter fotos embaraçosas de família escarrapachadas nas páginas das revistas del corazon. 

Vós que insistes em permanecer agarrado ao fundo do tacho político como um estrugido, mantendo o cargo de deputado após sairdes do Governo, reformares-vos-eis aos 97 anos após 35 anos a desempenhar as funções de operador de máquinas na Junta de freguesia do Troviscal. 

Tenho dito.




Sem comentários: