domingo, setembro 29, 2013

Será que os papás vão ralhar aos professores quando os meninos chumbarem a todas as cadeiras do 1º ano?

Esta notícia comprova que a geração que está agora a entrar na faculdade tem uma percentagem de estupidez francamente superior às anteriores:


E acho que os smartphones e as redes sociais não são as únicas razões pela quais estas criaturas não têm capacidade de se adaptar à realidade académica duma foma civilizada:

- Estas criaturas são crias duma geração que sem saber muito bem como, conseguiu entrar na faculdade e ter um nível de vida francamente superior ao dos seus progenitores que, na sua maioria, teriam pouco mais que a 4ª classe. Por isso, aquele reverência característica do provincianismo salazarento tuga, desapareceu. Ainda bem que despareceu porque chamar doutor ao menino assim que ele entra na faculdade, demonstra expectativas muito baixas, mas banalizar o ensino superior ao ponto de parecer o ensino obrigatório é demasiado mau!
- Estas criaturas nasceram em 1995, ano em que foram lançado dois filmes que neste momento, me parecem proféticos: Kids e Dangerous Minds. Só que em ambos os filmes, os mal-comportados não chegavam à faculdade, por isso, esta geração veio mostrar que aqueles bullies que todos julgavam condenados ao falhanço, já podem perpetuar os seus comportamentos imbecis no ensino superior, onde os nerds achavam que estariam finalmente a salvo.
- Muitas destas criaturas têm pais que foram dar ralhetes aos Professores do Secundário por darem uma nota inconveniente à cria burra que não sabia a ponta dum corno mas que tinha de entrar numa faculdade Pública à primeira (é que os paizinhos já tinham feito empréstimos para pagar a casa nos subúrbios, o apartamento na Praia da Rocha, o Audi e as férias no México).  Como é que esperam que estes animaizinhos tenham respeito aos Professores quando sempre ouviram os papás a insultá-los? Será que os progenitores agora também vão falar com os Srs. Professores Doutores que chumbarem os meninos que se embebedaram durante o primeiro semestre inteiro? Depois duma licenciatura de 5 anos, dum Mestrado de pelo menos 2 anos, dum doutoramento, de provas de agregação e de anos de investigação, os Professores Universitários têm de fazer trabalho de baby-sitter? Se calhar estão sobrequalificados...

Quando eu era caloira, em 2000, lembro-me dum episódio numa aula teórica. Era uma aula num anfiteatro e não éramos obrigados a frequentá-la. Já não me lembro bem que cadeira era, mas tenho a impressão que seria Química I ou Geoquímica do Ambiente. O Professor atira um pedaço de giz para o meio do anfiteatro e diz, em seguida:
- Peço desculpa. Não lhe queria acertar a si. Era para as duas colegas que estão atrás de si a conversar. Mas não se preocupe... Tenho muito mais pontaria com isto (e pega no apagador) e da próxima já não falho.
Há 13 anos atrás não tive oportunidade de assistir à pontaria do Professor com o apagador mas espero que o Sr. tenha incluído o tiro ao alvo nas suas actividades de investigação, senão prevejo que alguns inocentes fiquem com uns olhos negros...

1 comentário:

Anónimo disse...

De novo, um post muito pertinente. Na época em que jovens e progenitores,acreditavam no "sucesso económico pessoal" em troca de um simples "canudo", até faziam algum esforço para o conseguir - não interessava a área nem a sua utilidade... Porém, quando as conjecturas falham, as palavras educação, saber, cultura e instrução, serão para muitos jovens universitários apenas e só, palavras.