terça-feira, outubro 14, 2014

Há assuntos que não deviam ser assunto mas...

Por norma, não me debruçaria sobre uma polémica oca em torno do corpo duma actriz. Por norma, estou-me nas tintas para a gordura a mais ou a menos ou nos sítios errados ou o que quer que tenha a ver com isso. É um não assunto.
A única coisa que importa é que as pessoas sejam saudáveis. Se têm estrias, celulite, barriga de cerveja ou demasiados ossos à vista, é completamente irrelevante. Nunca vi ninguém chegar ao hospital com uma crise aguda de estrias.
E, no limite da minha futilidade, acho que cada um deve vestir o que lhe fica bem.
Mas a polémica em torno das fotos do desfile da Jessica Athayde não são sobre o corpo da rapariga. São sobre fêmeas. Neste momento, esta polémica já deu pano para mangas para um estudo sociológico.
Para começar, aqui fica a foto da polémica:



E como não quero que vos falte nada, tomem lá a verborreia toda sobre a foto: https://www.facebook.com/VoguePortugal/photos/a.149062145113000.23409.137585456260669/864352590250615/?type=1&theater
É tudo público para podermos ver a quantidade de dejectos que estas fêmeas têm naquelas ervilhas.
É que até quem pretende defender a actriz, acaba por demonstrar que está tão formatada como todas as outras que lhe chamaram gorda. Quando alguém diz que a Jessica Athayde não vai gostar desta foto está a assumir que os critérios de beleza da actriz são iguais aos seus e que estão toldados pela mesma lavagem cerebral.
Quando alguém culpa o fotógrafo do ângulo em que a foto foi tirada por alegadamente a desfavorecer, está a demonstrar que também acha que esta foto não é um exemplo dos critérios rígidos de beleza que defende. Dizer que a Jessica Athayde não é gorda como parece ser na foto, não é defendê-la. É assumir que não considera que esta foto mostre uma mulher atraente. É mostrar que pensa que esta figura não cumpre os níveis de exigência impostos para que uma mulher possa andar na passerelle.
Mas onde é que esta foto está horrível? Onde é que este corpo não é perfeito, saudável, tonificado e cheio de curvas femininas?
A luz está impecável, tem a profundidade de campo certa, está bem enquadrada, não tem grão... Quem fotografa a Moda Lisboa sabe o que faz. São os melhores fotógrafos, não é o vosso vizinho que comprou uma reflex de 1000 EUR e acha que a máquina tira fotografias fantásticas sozinha.
Quem é que impõe estes critérios de beleza em que as mulheres não podem ter curvas e têm de mostrar os ossos a furar a pele? Eu garanto que não são os homens porque eles estavam lá a comentar a foto e não era a desdenhar.
E porque é que são as próprias mulheres que são tão rígidas e defendem tão afincadamente critérios de beleza que não correspondem nem às preferências do sexo masculino nem a um corpo saudável? Quais são as motivações destas mulheres para exigirem às pares que tenham um peso abaixo do saudável e mantenham o mesmo corpo que tinham antes da puberdade? Esta ditadura do corpo escanzelado fomenta distúrbios alimentares. O que é que é melhor? Ter duas covas de celulite na nádega direita ou ficar internada no hospital e passar a adolescência no psiquiatra?
Sinceramente,o que eu acho é que a obsessão competitiva das fêmeas está tão entranhada que tudo serve para arranjar defeitos nas rivais. E por rivais, entendam-se TODAS as outras fêmeas. E esta estratégia já provou ser tão má como o memorando da Troika.
Começo mesmo a achar que, umas das principais razões pela qual as mulheres não chegam tão longe como os homens a nível profissional, são as outras mulheres que lhes cortam as pernas antes de terem oportunidade de chegar a algum lado. E pelas razões mais disparatadas: ou porque é magra, ou porque tem estilo, ou porque o marido não tem dinheiro, ou porque os pais têm dinheiro, ou porque tem um casamento feliz, ou porque os filhos são feios, ou porque é mais nova, ou porque é mais alta, ou porque não tem vida social, ou porque vive em Cascais, ou porque consegue engatar qualquer homem que queira, ou porque não teve um parto natural...
E enquanto a maioria das fêmeas pensar assim, os homens vão continuar a ocupar lugares de destaque. Não porque sejam melhores do que uma mulher, mas porque as outras mulheres já minaram todas as hipóteses doutra fêmea lá chegar. E o pior é que enquanto este machismo feminino persistir, é mau para as machistas e é mau para as feministas. Só não é mau para os homens. Mas o que é que isso interessa? As mulheres não querem marcar a diferença no mundo, de qualquer maneira.... a não ser no mundo daquela puta da Maria que costuma ir à fármacia lá ao pé de casa com aquele ar de quem é mais que os outros. A cabra! Mas o filho dela é um mal-educado e o marido deve andar com outras. Ordinária! Com aquela idade e anda de calções...

Sem comentários: